Paulo Rk

Paulo Rk
Contemplação da mente

domingo, 29 de julho de 2012

Eu não quero ser um pobre hipócrita, mas um pobre feliz do meu jeito!

Eu não quero ser um pobre hipócrita, sou uma pessoa pobre (convicto), mas acima de qualquer coisa, uma pessoa verdadeira e feliz! Apreendi na vida, que não é feio ser financeiramente desprivilegiado, pois a verdadeira miséria não reside na matéria, mas num espirito avarento, e egoísta. Gosto de falar assumidamente, da minha condição modesta de vida, pois adoro “atacar” e provar para os hipócritas, que pobreza financeira, não é sinônimo de sujeira, da ignorância, ou qualquer outra fraqueza, associadas a imagem dos menos favorecidos. O Brasil é muito rico em diversidades culturais, e ao mesmo tempo o povo insiste na ignorância, de se desprezarem uns aos outros, cultivando preconceitos de todos os tipos. Não é só o rico, que olha com desdém para o pobre, pior do que ser pobre, é ser pobre hipócrita, aquele que se acha o tal, por conta de algumas conquistas medíocres na vida. Quando um riquinho de berço se aproxima de mim, e zomba da minha condição, penso comigo mesmo; “deus tenha piedade, desta alma, que para ser alguém, precisa se desfazer daqueles que o servem!” Mas o pior, é quando um pobretão de berço, aproxima de mim e zomba da minha condição, enganando ou se iludindo, se achando melhor do que todos, por conta de alguns recursos extras (como mencionei acima). Ai o meu papo com deus é outra; “senhor me dai forças e paciência, pra não quebrar a cara desse pobre hipócrita, e sujar as minhas mãos, com um sangue nojento, de quem ainda não despertou, para a sua própria realidade de vida!” Infelizmente, tais pessoas com titicas de galinhas em seus cérebros, são muitos, pessoas pobres de espirito tem de montão, podemos perdoar a pobreza financeira, mas nunca a pobreza do espirito (nunca). Cresci dentro de uma família modesta e batalhadora, passamos por muitas dificuldades e privações, no entanto desconheço sentimentos ruins, como o preconceito, a miséria e a ignorância desprezível, da soberba. O que quero dizer, é que a qualidade de ser pobre, se torna apenas um detalhe, se você é o tipo de pessoa, que respeita o seu semelhante e batalha pela conquista da sua própria felicidade, sem atropelar as outras pessoas. De que vale ter muito dinheiro e não conseguir dormir o sono dos justos, e estar sempre rodeado por abutres, que se dizem amigos, interessados apenas nas coisas que o seu dinheiro pode comprar? E de que vale ser o pobre hipócrita, que vive se enganando, se inflando na sua própria vaidade, achando que o mundo gira em torno do seu próprio umbigo, quando nada disso é real? Bem aventurados, seja todas as pessoas ricas de dinheiro, e pobres de espíritos, e também, bem aventurados seja, os pobres de espirito e medíocres de almas, amém! Mas senhor, livrais me todos eles, que o senhor varra eles do meu caminho, pois deles não tiro nenhum aprendizado, que me agregue valores, nesta vida. A verdadeira riqueza é ter humildade e respeito pelo o próximo, independendo das condições socioeconômicas alheias, aceitar as qualidades das outras pessoas, é aceitar a sua própria condição de vida. Lembrem se, aceitar a si mesmo, é o caminho mais próximo para se atingir a sua própria felicidade pessoal! Paulo RK

Um comentário:

  1. Muito bacana amigo Paulo esse seu poste ! Abraços e sucesso no blog !

    ResponderExcluir