Paulo Rk

Paulo Rk
Contemplação da mente

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pessoas maldosas, são moralmente mais fracas

Não gosto de falar do meu passado, mas é inevitável, como as lembranças do ‘presente momento’, nos faz resgatar, determinadas experiências vividas, de todas as hostilidades humanas. Nesses dias, um comportamento alheio, me fez voltar ao tempo, quando ainda estudava o ensino médio. Havia uma garota, cheia de recursos financeiros, mas com pouca motivação, para os estudos, certamente, que ela percebeu em mim, uma grande parceria. Por um bom tempo, a tal “aliança” funcionou, e nem preciso dizer, que ela me tratava como um rei. Ela me defendia dos outros garotos, que ficavam zoando comigo, ou fazia elogios exagerados, de qualidades da minha pessoa, para as suas amigas, que até então, desconhecia em mim mesmo. Todos da classe, sentiam incomodados ou com uma “pontinha” de inveja, por sermos tão unidos, pois além da forte, e aparente amizade, éramos os únicos da classe, com as melhores notas, e com direito a elogios dos professores. Tudo estava correndo de vento em poupa, até que o professor de biologia nos propôs fazer um trabalho cientifico, avançado para a época, e nos sugeriu que adquiríssemos um livro, que nos auxiliaria, e que ele próprio estava vendendo. Este seria o trabalho do ano, pois estávamos no fim do semestre e o professor nos garantiu, que ele nos livraria da ultima prova do semestre, para fechar o ano. Nem preciso dizer, que o livro foi um “best sellers” em vendas, vendeu como agua no deserto. Apesar do sucesso de vendas, nem todo mundo pode adquirir o livro, devido as suas precárias, condições sócio econômicas. E o professor, ‘mestre do bom senso’, sugeriu a todos que formassem duplas, com pessoas que não puderam adquirir o livro. Foi onde tudo começou, a fagulha necessária para acender as chamas, de um inferno latente, de uma pessoa moralmente mais fraca, egoísta, carente e mimada. Havia um garoto, muito humilde, percebíamos pela sua forma de expressar, trajar e postura em relação as outras pessoas, todos gostávamos muito dele, pois ele era muito engraçado. E a despeito de todas as suas dificuldades de assimilar matérias, ele se esforçava com esmero, a cada nota boa, ele comemorava, como se fosse um troféu muito valioso, em contrapartida, quando ele obtinha notas baixas, ficava arrasado e deprimido. Segui a sugestão do professor em fazer parceria, com quem não pode comprar o livro, e escolhi o garoto humilde, foi nesse dia que percebi, que o ser humano, é o próprio diabo. A reação da garota parceira, foi extremamente irracional, hostil e desafiava qualquer raciocínio lógico, do comportamento humano. De amiga fiel a protetora, ela mostrou o seu lado mais frio e cruel, passou a espalhar no colégio inteiro, o boato de que eu, e o garoto humilde, éramos gays, e que ela tinha nos flagrado, beijando. Tudo isso porque ‘desfiz’ a parceria com ela, pois não havia motivos para duas pessoas com dois livros, fazerem o mesmo trabalho, a ideia do professor da dupla, era justamente, dar a oportunidade para aqueles que não tiveram condições, para comprar o livro. Infelizmente, daquela época até nos dias atuais, as pessoas continuam as mesmas e algumas até pior. Todos sem exceção, estão somente preocupados em suprir as suas próprias carências, e necessidades materiais, todos com doses exageradas de egoísmo. Eles não se importam, com as metodologias utilizadas e com o preço a ser pago, por esses “mimos” infantis. O boato que ela maldosamente espalhou pelo colégio foi esquecido, só tive que suportar por um mês, alguns insultos e olhares reprovadores, daqueles que realmente eram gays, e não tinham coragem de se assumirem. Dizem que a vingança, é um prato que se serve frio, fiquei sabendo que uma das piores notas do trabalho, foi o dela, ficando de recuperação. Coisas de moleque, nos dias da sua recuperação, eu e o garoto humilde, fizemos questão de ficar na porta do colégio, apontando o dedo para ela, e rindo como dois retardados, com o intuito de faze la compreender, que pessoas maldosas só tem a perder , e que elas estão sempre na rabeira, das outras pessoas. Se ela aprendeu ou não, com a sua própria experiência negativa, não podemos garantir, mas que o nosso ato infantil, foi extremamente prazeroso, disso eu tenho a convicção. Paulo RK

4 comentários:

  1. Legal sua experiência,Paulo.
    Eu costumo dizer que a melhor vingança é o sucesso.
    Quando emu livro foi publicado pela Audio Livraria, muita gente quis cortar os pulsos de raiva.E eu, assim com0o você,fiquei de fora, apontando o dedo e rindo de camarote.
    Muitos dessa pessoas não aprendem com os erros. Na verdade, eles ficam mais cegos, mais céticos e muito mais arrogante e esperando uma nova oportunidade para atirar lama.
    A melhor coisa que fazemos com esse tipo de pessoas é sair do foco de suas atenções.
    Daí eles imaginam que ficamos esquecidos e buscam outras vítimas para seus abusos de orgulho.
    E então a gente segue nossa vida!
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Pessoas maldosas, oportunistas, egoistas , cínicas, falsas têm a sua paga mais tarde..Elas se acham superiores mas no fundo são uns tristes que apenas pretendem sucesso "encostados" a alguém..Esta história é um belissimo exemplo desta gentinha pobre de espirito e cheia de energia negativa....Bem longe delas,sempre!!

    ResponderExcluir
  3. "Cá se fazem , cá se pagam", funciona sempre! Esta gentinha que se acha superior aos outros não passam de pessoas vazias que nada têm para nos oferecer..só mesmo a sua energia negativa "associada" a muita maldicência e maldade...Longe delas, bem longe! rsrsrs

    ResponderExcluir