Paulo Rk

Paulo Rk
Contemplação da mente

domingo, 30 de junho de 2013

O mais belo dos belos, eleito pela mídia, não me representa em nada!

O mundo sempre apreciou o mais belos do belos, e por mais que as pessoas digam o contrário, elas sempre optam pela beleza externa, para depois checar o conteúdo interior. As vezes tal predileção não é nem por maldade, de não gostar do que é feio, mas, por acontecerem de forma natural, temo em ter que admitir, que ela possa ser instintiva. Sim, da mesma forma que procuramos comer quando estamos com fome, ou bebemos agua, quando estamos com sede, o ser humano tem de se aproximar das pessoas bonitas, e se esquivar ou ignorar, aquelas que são consideradas feias. Mas o que é ser bonito ou feio, num mundo de tantos recursos tecnológicos, para tornar o feio em belo? Recentemente visitei uma pagina onde fiquei pasmo, um rapaz de sunga recebeu 1.589. 935 (hum milhão, quinhentos e oitenta e nove mil e novecentos e trinta e cinco) curtidas. Um detalhe que me deixou frustrado, sem falar absolutamente nada, apenas expondo o seu corpo, como se fosse um pedaço de objeto, para quem quiser ver, e ser tocado (pois foi num site de acompanhantes). Mas antes que as pessoas me critiquem com este comentário, só peço que deixem de serem hipócritas, pois a internet nos permite “viajar” em vários mundos, que não podemos, num mundo real, cheio de valores morais duvidosos. Então, sem essas de credo Paulo, você fica olhando essas paginas!?!? Porque todo mundo olha, seja por curiosidade, ou mesmo por predileção. Eu vejo de tudo, desde paginas de necrofilia, zoofilia, universo S&M e mundo gay, pois acredito que só tenho a ganhar conhecendo esse vasto e infinito universo, ao invés de ficar julgando sem antes conhecer, como muitos fazem neste mundo repleto de falsos moralistas. (sendo tão falsos quanto infelizes) Mas a questão que me levou a escrever este texto, após ficar atordoado com o número de curtidas por trás de uma única foto, foi como as pessoas gostam de se iludir, com as coisas que vê por aqui. E algumas delas, sofrem por não corresponderem ou por não se igualarem a tais “belezas” produzidas, pois o que elas não sabem, é que por trás de um rostinho, ou um corpinho bonito, existem muitos truques, de maquiagens, de softwares e de luzes que torna o convencional, em uma beleza estonteante. Aqui no mundo virtual do faz de contas, todo mundo pode ser o que quiserem, mas tudo o que ela serem por aqui, não terá muita serventia no mundo real. Porque no mundo real nem tudo é um mar de rosas, e o que conta por aqui são argumentos, e mesmo sabendo que um rostinho bonito, poderá impressionar no primeiro contato, a não ser que sobreviva como um garoto ou uma garota de programa, se não tiver argumentos, não poderá contar muito, com uma beleza efêmera, para agradar as pessoas verdadeiras. Então um alerta, principalmente para as pessoas que valorizam de forma exagerada o que elas consideram belo por aqui, procure valorizar as pessoas pelo seu caráter, e nunca pelo que elas apresentam em suas superfícies. Uma coisa eu garanto e com muito orgulho, a beleza apresentada na mídia não me representa em nada, pois eu sou belo in natura, sem recursos algum, posso não agradar a milhões de pessoas, mas sou o que sou e ponto final! Paulo RK

sábado, 29 de junho de 2013

Apostando corrido com o tempo, ou correndo contra o tempo?

Se tem um tipo de corrida que não vale a pena ser competida é com o próprio tempo. Porque mesmo que eu tenha a falsa impressão de ter ganho qualquer coisa, “apostando” contra o tempo, ela permanecerá intacta e implacável, e a despeito de uma felicidade ilusória e momentânea, com as nossas conquistas, nenhuma ação, retardará seus efeitos sobre nós. Pois como todos os fenômenos do universo, que alias não conseguimos compreender, ela é indomável, e o que é cruel para algumas pessoas, elas possuem completo domínio, sobre as nossas vidas. Eu parei ha muito tempo, de ficar estabelecendo objetivos como; “até determinado mês vou fazer isso ou aquilo!” Porque por mais que eu planeje, a vida tem dessas coisas, ela faz tudo o contrário, as vezes eu ficava com a impressão, de que ela não gostava muito de mim. Mas com o tempo, e no convívio com muitas outras pessoas, e de diferentes camadas sociais, eu compreendi que a vida é imparcial, e age assim com todo mundo. Eu não estou desenterrando um assunto, que já tinha dado por encerrado, mas como vivemos dentro de uma mesma sociedade, com pessoas que ainda não se superaram, e em muitos dos seus aspectos, que eu considero trivial, foi inevitável. Ontem uma pessoa fez o que eu fazia com muita frequência, entrou em pânico, só porque já estamos no meio do ano. Como se isso valesse o desnecessário desgaste emocional, pois a despeito de sua reação, o tempo não ficará mais lento ou regredirá para o começo do ano. Não podemos controlar o tempo, mas podemos ter algumas vantagens sobre ela, quando nos preservarmos. Estou falando de pelo menos mantermos as nossas qualidades de vida, vivendo um dia de cada vez, e nos conformando com tudo o que não é possível, de se realizar em um dado momento das nossas vidas. Por questões obvias, pois nem tudo dependem só da gente em todos os seguimentos, seja no trabalho, na vida social, na escola ou mesmo dentro de casa, com as nossas próprias famílias. É aquela velha máxima; “se você não pode, com um inimigo, junte se a ele!” O melhor a fazer é dedicarmos bastante naquilo que acreditamos ser o correto, mas não ficar apostando corrida com o fator tempo, pois acredito ser um desgaste desumano e completamente desnecessário! Paulo RK

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Agora sim eu tenho motivo de dizer, sou brasileiro e com muito orgulho!

Tem gente que vive dizendo, preciso “focar” em um determinado assunto, para não perder de vista, os meus objetivos nesta vida. Eu acho muita graça nesta máxima, pois do meu ponto de vista, eu só poderia focar um objeto ou um objetivo, com as incríveis, poderosas e incomparáveis lentes Nikkor. Resumindo a piada, eu não sou uma câmera fotográfica da Nikkon para “focar”, quaisquer coisas ou assuntos nesta vida, pois só pode focar quem usa lentes com zoom mecânico ou digital. (risos) Algumas valiosas personalidades que me fascinam neste mundo, e leem os meus textos em meu blog (lisonjeado), me perguntaram se eu não estava saindo um pouco do foco, da minha proposta original de promover reflexões, com pensamentos e situações comuns do nosso cotidiano. Pois tenho exagerado nas postagens de vídeos, contendo criticas e comentários da nossa atual política e governo, revelando ações, que em toda a minha vida, nunca pensei testemunhar com os meus próprios olhos. Confesso e não posso omitir que tais protestos que aconteceram recentemente, em várias capitais do nosso país, mexeram muito comigo. Revelando dentro de mim, um orgulho, que nunca pensei sentir um dia em toda a minha vida, ou seja, o orgulho de ser brasileiro. Sei como é sentir orgulho, por pertencer a uma determinada etnia como no meu caso, de ser filhos de japoneses, mas até então eu me sentia incompleto, pois afinal de contas, eu nasci neste país. Os meus pais são filhos direto do país do sol nascente, então nada mais natural deles sentirem orgulho, por serem de lá, orgulho que eles implantaram nos seus filhos como forma de educação. O que não é o mesmo, de sentir orgulho por ter nascido, em um determinado país, e é onde me sentia incompleto. Sempre senti orgulho de ser descendentes e filhos de japoneses, mas não me sentia orgulho de ser brasileiro, por ter nascido aqui. Coisa estranha, pois eu sinto muito orgulho dos estrangeiros, que vem para cá, quando falam de suas pátrias maternas. É verdade que o meu desgaste, do meu amor pela pátria, nada tem haver com o próprio país, bem como todas as suas riquezas e exuberâncias naturais. Mas da forma como ele é administrado, e por quem são administrados, na sua grande maioria, bandidos de colarinho branco. Dito isso, acredito que compartilho com todos os outros brasileiros, da mesma falta de amor. Prova disto são os manifestos, e eu não poderia deixar de registrar em meu blog, as coisas que tem me feito resgatar, esse sentimento tão bonito, que é o patriotismo. E lembrando a todos, se eu acreditava que para tudo na vida há uma solução, hoje, observando um gigante adormecido, despertar do seu longo e letárgico sono, levantando de seu berço esplendido, não tenho como não fazer jus a máxima dos acontecimentos em meu blog. Então eu não estou desfocado, só estou externando o meu orgulho de ser brasileiro! Paulo RK

quarta-feira, 26 de junho de 2013

terça-feira, 25 de junho de 2013

O HOMEM QUE CALOU RONALDO FENÔMENO- OS PROTESTOS NÃO IRÃO PARAR


O problema do nosso país é  falta de pessoas que tenham orgulho dele, patriotismo.
Principalmente das pessoas famosas com projeção internacional como  o Ronaldo e o próprio Pelé, considerados reis do futebol, e que por terem um status de destaque global, poderiam fazer algo pelo seu próprio povo e país (ações políticas).
Mas deve ser cômodo viver ganhando milhões, ao mesmo tempo em que são idolatrados como se fossem representantes máximos desta nação.
E por ser assim, imagino que para eles é tudo  simplificado, por esta razão podem sair na mídia e vomitar bobagens, numa clara demonstração da falta de  amor, e respeito por um  povo que os idolatrou até no dia em que eles abriram a boca!
Infelizmente o exemplo vem de cima,  a nossa presidenta que deveriam olhar por nós, nunca se importou com as nossas necessidades mais básicas como saúde, segurança e transporte, bom, na verdade  não quero parecer injusto, dizendo que ela nunca se importou com gente.
Na época das eleições, foi o único momento em que acreditei nela, pudera tamanha capacidade de interpretar.
Senhora presidente uma sugestão, se for exonerada do cargo bem que poderia trabalhar nas novelas da Globo, dizem que o salário por lá é melhor e bem mais digno do que qualquer outro assalariado brasileiro.
Esta videopostagem, será uma pequena "homenagem" a todos os governantes, e essas pessoas que gozam do prestigio de serem famosos no Brasil e no mundo, mas pouco se importam com o seu povo!
 



Paulo RK

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Eu sou um anônimo!

Num ato de desespero, podemos notar como alguns brasileiros são insanos, beirando a condição de débeis mentais. Não conseguindo enxergar a realidade de suas vidas, eles defendem aqueles que enriquecem as nossas custas, nos dando em troca, “benefícios” esmolas, denominadas, ‘bolsas disso ou bolsas daquilo’! Como conseguem ser felizes, com um governo que nos oferece o mínimo do básico? Esta condição revela bem a máxima que diz; “em terra de cego, quem tem um olho é rei”, porque povo ignorante e alienado, são fáceis de serem manipulados. Alguns mais radicais e tapados, não se envergonham em mostrar nas redes sociais, o tamanho de suas ignorâncias, expondo o seu amor pela presidenta Dilma, e o seu partido, como se ela fosse a própria versão tupiniquim, da salvadora da pátria Argentina, Evita Perón. A situação é ainda mais constrangedora, ao notar como tais pessoas conseguem ser tapadas e medíocres ao mesmo tempo, se ofendendo com a gente, só porque falamos a verdade. Constrangedora, porque estou falando de pessoas jovens, e algumas com formação universitária. A luta que temos realizado não é pessoal, ou seja, contra um único governo ou um único partido, como essa gente sem noção tem feito da Dilma uma vítima, de um povo que não sabe o que quer, é contra um sistema chamado política brasileira, que tem nos ferrados por longas datas, mesmo estando em dia, com os pagamentos dos impostos. A nossa luta, é a luta de um povo que está cansado e está batalhando anonimamente nos 365 dias do ano, acreditando e depositando nossos votos em pessoas, que tem feito pouco, na verdade, quase nada, para justificar pelo menos, o nosso ato de confiança e esperança neles. É difícil para a minha própria compreensão, o raciocínio desta gente, pois se formos comparar o Brasil, com os outros países do BRICS, ele é o pior em desempenho e condições de infraestrutura social. O brasileiro tem que enxergar que os políticos estão nos manipulando da pior forma possível, que é a manipulação mental, a nossa realidade é distorcida por aqueles que estão no poder, pois é fácil mexer com a cabeça daqueles que não conseguem ver muito além de uma bola de futebol, a rolar num gramado verde, ou de mulheres mostrando a sua bunda, a rebolar numa avenida em épocas de carnaval. Isso explica porque o carnaval e a copa fazem tanto sucesso, em um país onde vivemos em condições tão precárias e desumanas, explica também como o filho de Lula, e a filha da Dilma, enriqueceram da noite para o dia. Ao mesmo tempo, que eu me divirto com a ignorância deste povo, que defendem estes bandidos desmascarados, e que nos roubam em plena luz do dia, eu lamento. Lamento porque também faço parte desta nação, e vivo no meio dessa gente tapada, que se contentam apenas em suprir as suas necessidades mais primitivas, como é o caso da alimentação e por diversão. Saibam que os piores bandidos do nosso país não usam máscaras, pois dominam técnicas de manipular mentes não pensantes e de memórias curtas, bastando apenas oferecer pequenos agrados como tem feito o nosso atual governo. Os mascarados anônimos, não manipulam informações ou pessoas, apenas tem cobrado a verdade de todas as mentiras que este governo manipulador, tem dito em nome de uma democracia brasileira que nunca existiu. O detalhe da máscara de um personagem americano dos anônimos é simbólica, para representar todos aqueles que lutam nos bastidores anonimamente, como eu e você, em busca de uma vida melhor, pois já estamos cansados, de toda essa hipocrisia. De viver sorrindo e fingindo que tudo está bem, só porque a imprensa diz que a inflação está controlada e o Brasil sediará a copa de 2014. Paulo RK

sábado, 22 de junho de 2013

Só para te lembrar "baby", você cresceu! Portanto ninguém mais vai limpar o seu cocô das fraldas, se vira mané!

Só tem um tipo de gente que me causa ojeriza (nojo ou repugnância) neste planeta, são as pessoas que sentem pena ou dó de si mesmas, e “vivem” as suas vidas, se fazendo de vítimas em tempo integral. E são graças a este tipo de gente, que o mundo esta do jeito que se encontra, não mudando nunca! Porque eu não sei o que acontece dentro de suas “cabecinhas”, falta de maturidade, talvez, acredito que tais pessoinhas, ainda vivem no estágio de fazer cocô nas fraldas, quando o ato de reclamar para a mãe ou pai, revolvia. Só que você cresceu “baby”, e não pode viver mais no estágio larvário, quando dependíamos deles para tudo. E se você tiver sorte, seus pais ainda estão vivos, então seja digno e pare de reclamar, retribuindo e mostrando o quanto você cresceu, e se tornou numa pessoa de valor, capaz de superar tudo, em nome deles. Pior do que ouvir lamentações de marmanjos com mentalidades infantilóides, é ter que ouvir merdas bombásticas saindo de suas bocas como; “coitado do Paulo!” Sai de retro satanás, “coitado” o rabo de cada um de vocês, que não sabe fazer outra coisa, a não ser reclamar nesta vida! Enquanto eu estiver vivo e a despeito das coisas ruins que possam acontecer comigo, eu nunca, jamais vou me fazer de vitima, ou lamentar por situações ruins temporários, pois no fundo, sei que para supera-los, só depende de nós mesmos. E nem me venham falar que é normal do ser humano reclamar, pois eu não acho, sou um humano convicto, e não me permito lamentar por nada. Mas confesso, por ser um ser humano, de vez enquanto eu me permito ser frágil e vulnerável. Ontem gripei de repente, no fim de tarde, e a noite antes de dormir, uma sensação terrível invadiu o meu coração. Uma sensação avassaladora de fraqueza dominou a minha alma, fazendo meus olhos lacrimejarem. Mas tal “novela mexicana” debaixo do cobertor durou apenas 30 segundos, pois não me deixei levar, e gritando “UÉPA”, dei um pulo na geladeira, para pegar o limão e o alho, para fazer aquele chazinho esperto. E para algumas pessoas que já testemunharam eu reclamar ou fazendo tragédia grega, de quaisquer tipos por nada, posso garantir que tal drama, deve ter sido parte de um plano “diabólico”, para alcançar os meus objetivos com os meus patrões e patroas. (risos) Acreditem quando eu quero, sei fazer chorar o mais insensível dos seres humanos, um dom natural, que aflora de dentro, nos momentos oportunos. Felizmente eu sou uma pessoa do bem e tento justificar todas as lutas que meus pais dedicaram a mim, para me tornar no que sou hoje. E para que eles possam ter orgulho de mim, não me permito demonstrar qualquer sinal de fraqueza, seria no mínimo muito indigno da minha parte! Paulo RK

quinta-feira, 20 de junho de 2013

A filosofia budista e eu!

Um budista não vive resignado (conformado), porque a própria filosofia budista, nos ensina que não viemos a este mundo para manifestar doenças, misérias e desarmonias de quaisquer tipos. A filosofia budista me ensinou que somos parte de um todo, de um único corpo, supremo, imaculado, e acima de qualquer coisa, de uma energia inteligente, capaz de transformar todas as coisas que interrompa o ciclo natural, da nossa evolução espiritual. E foi com a própria filosofia budista, que apreendi que ninguém é coitado, tudo que nos acontecem nesta vida, é meritório, sejam coisas boas ou ruins (dependendo do seu carma). Pois para cada ação haverá sempre uma reação, e não há nenhuma outra realidade, capaz de superar esta máxima, pelo menos no meu ponto de vista. Pode até ser que algumas pessoas deste planeta, prefiram acreditar e atribuam tudo que lhes acontecem em suas vidas, a um único ser, que supostamente é onipresente e onipotente, deixando de policiar suas próprias atitudes e pensamentos. Mas tais pensamentos errôneos são contraditórios, pois descarta a outra máxima, que diz que nascemos com o poder do livre arbítrio. Se temos o poder do livre arbítrio, por que deus interferiria em nossas vidas? Tá faltando muita lógica, nas coisas que a humanidade diz acreditar, saiba que podemos acreditar até numa mentira, quando estas são contadas com habilidades. E muitos preferem viver desta forma cômoda, cruzando seus braços a espera de um “milagre” acontecer. Pois é fácil ignorar o fato de termos que assumir, as nossas formas divinas, e o compromisso de mudar este mundo, para o melhor. Afirmando insanidades, acreditando que tudo vai melhorar só porque este suposto deus sabe o que faz, e tem muito amor pela gente. Isso explica porque as pessoas vivem de braços cruzados, vivendo apenas de fé, sem tomar nenhuma atitude, quando o mundo inteiro, está cada vez mais próximo do abismo. Você vivencia tudo aquilo que acredita, portanto tenham mais responsabilidades nas coisas que você crê, pois pensamentos errados podem te fazer sofrer por toda a vida. Há um trecho budista que diz; “o homem , vive, sofre e morre pelas suas próprias crenças”. Então ‘repense’ a sua forma de vida, se está sofrendo com alguma coisa, é porque a própria vida, está te informando que é hora de enxergar, o que você sempre teimou não querer ver, por conveniência. Saiba que pior do que acreditar, num deus convenientemente a seu favor, é você criar paradigmas que te impeçam de alcançar seus objetivos reais, nesta vida. Paulo RK

quarta-feira, 19 de junho de 2013

E eu pensando que tinha superado o meu "eu inferior!"

Hoje fiz um serviço avulso, daqueles que não costumo realizar durante a semana. Foi bom porque a “senhora”, dos tipos mãezonas, simpáticas, e um pouquinho acimado do seu peso, me pagou, e ainda me deu um dinheirinho extra, para almoçar. Nem precisava, mas agradeci, pois como ela mesma disse, foi de coração. Como o dinheiro “extra”, foi destinado para o meu almoço, fui fazer jus, e a propósito faz um tempão que não como fora de casa. Não querendo parecer ingrato com o que vou falar, mas comer todos os dias, feijão e arroz enjoa. E afinal de contas, eu estava mesmo precisando variar um pouquinho, não pretendia comer num restaurante chic, mas qualquer boteco limpo, estava de bom tamanho, como fazia nos bons tempos, em que trabalhava para os outros. Encontrar almoço após as 14 horas da tarde, é um grande desafio, mas consegui encontrar, no momento de fraqueza e prestes a desistir por ter “vasculhado” toda a avenida, onde eu me encontrava. Enfim ao chegar ao local, fui logo pedindo uma coca diet, só para manter as aparências de quem, apesar de estar num restaurante tipo duas estrelas e meia, ainda conseguia manter a pose de granfino, e os indesejados quilinhos fora da balança. (risos) Como não sou bobo, tomei a bebida bem devagar, até a comida chegar, até que ela não demorou muito, mas antes dela chegar aconteceu o inesperado. Um homem muito elegante, trajando um terno, sentou se bem a minha frente, e pelo visto ele também não tinha almoçado, pois pareceu ter pedido a mesma comida, e o único prato que eles estavam servindo naquela hora. Enquanto ele estava impecável em seu terno, eu com o tênis molhado, calça jeans surrada, uma camiseta encardida, e ainda por cima, descabelado como se fosse um desvairado. Sem problemas, pois são “ossos do ofício”, enquanto uns ganham dinheiro segurando uma caneta, eu coloco as mãos na massa, consertando e endireitando as coisas. A comida chegou, quentinho e cheirosa, e eu faminto do que jeito que estava, perdi o foco no terno elegante do cidadão, que escolhera sentar bem a minha frente, e resolvi matar aquela, que estava me consumindo aos poucos, ou seja a própria fome. Quando cheguei na metade da comida, levantei a cabeça e notei que o cidadão bem vestido, estava me observando. Foi ai que todo o meu drama começou, e o meu “eu inferior” veio a tona, estou falando da minha timidez. Drama porque pensei ter superado este tipo de sentimento na minha adolescência, e olha que faz um bom tempo. Nada demais mas de repente, de tão constrangido que fico, quando alguém fica me encarando, as coisas mais simples do nosso cotidiano, como comer em público, pode ficar complicado, pelo menos pra mim. Realizando façanhas macabras, como furar a própria língua com o garfo, errar com o copo ao beber a coca diet, e derramar todo o líquido que naquela hora, estava mais agua do que o próprio refrigerante. O prato dele chegou, e a cada garfada ele me observava discretamente, e naquela altura, eu já tinha perdido a fome, por conta da minha timidez. Foi uma pena, pois deixei um prato que me custou dezoito reais com o refrigerante pela metade. Mas a questão, que me deixou inquieto até agora é o fato de ter descoberto que os sentimentos da minha timidez, estavam camuflados e latentes, a espera de um gatilho para ser acionado. Depois desta experiência traumática de almoçar fora, quebrando um “jejum” de longas datas, não sei se vou ter uma boa noite de sono. Pois por um bom tempo, a timidez foi o meu grande pesadelo, na fase mais dourada da minha adolescência, e só de pensar que ela voltou, eu fico de cabelos arrepiados! Paulo RK

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Pátria amada Brasil?

Para matar um câncer, você precisa desativar dela, todas as veias que sugam todas as substancias, que as mantem e destroem o nosso corpo, nos causando muita dor, e por fim a própria morte. Saiba que ficar “cutucando” superficialmente, só vai aumentar a sua fúria e causar todos os tipos de sofrimentos, a pessoa portadora deste mal. E assim são os nossos políticos, para erradica-los precisamos cortar o que os mantem vivos. Estou falando dos impostos, desde que eu era pequeno presenciava meu pai pagar muitos impostos e até hoje, continuo a pagar os mesmos impostos. Mas a questão crucial dentro da minha cabeça que não quer se calar é; “daquela época para cá, nada mudou, nenhuma melhora foi realizada e as promessas usadas, para justificar tais cobranças, nunca foram cumpridas”. E como um cidadão brasileiro, pagador de muitos impostos, continuo a viver precariamente, não tendo assistências médicas e pagando uma fortuna, nos transportes coletivos, para andar de um ponto ao outro da minha cidade. Entre outras questões sociais, que o nosso governo está sempre a desejar, nós vivemos pagando impostos por gerações, pois não sou o único a viver, dentro desta angustiante realidade. Nós sustentamos esses bandos de safados por gerações, e ainda tem brasileiro que os defendem, elogiando e se ofendendo, quando criticamos determinados partidos políticos. Desde que eu me entenda por gente, sou apolítico, pois já defendi muitos partidos, e vesti muitas camisas com a cara dos candidatos, mas ao longo da minha vida, e até hoje, não senti nenhuma melhora, ou contribuição por parte deles, dentro da sociedade em que vivo. Portanto, acho uma perca de tempo, alguns amigos que elogiam o governo atual, chegando ao absurdo, de postarem fotos da presidenta em redes sociais, expondo a sua completa falta de noção, dizendo; “parabéns presidenta, pelo bom governo!” Insanidade doentia, porque não consigo sentir ou ver um Brasil melhor, desde quando votei conscientemente e pela primeira vez, em nome de uma democracia que nunca existiu. A realidade é que enquanto existirem pessoas que vendem as suas almas ao diabo (políticos), o nosso país nunca nos dará dignidade para podermos vestir a camisa verde e amarela, estufar o peito, e dizer em voz alta; “EU SOU BRASILEIRO!” Porque atualmente, eu me sinto socialmente desamparado, e inseguro, apesar da minha teimosia em manter a minha fé, e lutar pelo que acredito ser correto. Mas esta minha teimosia e fé são abaladas sempre quando preciso de assistência médica publica, ou mesmo quando abro mão de bons empregos noturnos, só porque São Paulo, não tem transportes coletivos 24 horas, como toda cidade grande deveria ter. Por esta razão sou assumidamente revoltado, com pessoas que se ofendem quando criticamos a presidenta e o seu partido, eu só gostaria de fazer uma perguntinha pra essa gente sem noção; “EM QUE REALIDADE VOCÊS VIVEM?” Paulo RK

domingo, 16 de junho de 2013

O meu lado japa típico e o atípico (risos)!

Ser humano algum consegue ser ele mesmo vinte e quatro horas por dia. Determinadas situações da vida, e dentro de um relacionamento humano requer de nós, uma grande habilidade “shakesperiana”, de interpretar personagens que não somos de fato. Não quero dizer com isto, que sou uma pessoa falsa, mas uma pessoa amorfa (sem forma), que se molda conforme as pessoas, e o ambiente convenientemente, pra pelo menos não contrariar as massas (o povo). Não que eu viva para agradar aos outros, ou em função das pessoas fingindo ser, tudo o que elas gostariam que eu fosse, em detrimento da minha própria persona. Vou explicar uma situação para melhor compreensão, do que estou falando. Num sábado a tarde, fui convidado para participar de um churrasco, no bairro vizinho de Itaquera. Pensei comigo mesmo, beleza vou comer e beber tudo na “faixa”, só tinha um detalhe, esse pessoal, são amigos de um amigo meu, então eu não sabia, com quem ia lidar, ou que tipo de musica ia rolar. Mas sendo de grátis, a gente não recusa, e fui fazer “bonito” o meu papel de rapaz esfomeado, colaborando com aquele pessoal. (risos) Para a minha grande e desagradável surpresa, estava rolando funk no último volume, como todo “bom” funkeiros, costumam ouvir esse tipo de coisa, que aliás não classifico como música! E como sempre, estava de carona, então nem pensar de inventar uma historia e voltar para casa a pé, apesar de não ser tão longe a distancia de um bairro para outro. Foi nesse momento fatídico, que fui checar como estava o estoque e o fornecimento, de bebidas alcóolicas no local. Maravilha, para a minha grande surpresa e deleite, o estoque de cervejas e bebidas quentes, estava em alta, obviamente que tinha algo a mais, mas nunca me interessei por outros tipos de drogas, que não fosse o próprio álcool! Como o “ambiente etanol” estava propício, pelo menos para mim, pensei num plano B para curtir a festa de boa, fazendo vista grossa com aquele tipo de música, com letras diabólicas, fazendo apologias ao crime e as drogas. Foi ai que revelei o meu lado “japa atípico”, enchi a cara de bebidas, não costumo misturar cerveja com bebidas quentes, mas foi inevitável, tudo para poder suportar, aquela música horrorosa, e quebrar o meu jejum dos prazeres pela carne de longas datas. (risos) E toda a minha ação de japonês atípico gerou uma reação, comentários, não comentários negativos! Dizem as más línguas que eu fiquei dançando como uma gueixa e falando com sotaque caipira, como a apresentadora de T.v., Sabrina Sato faz, tipo; “É verrrrrrrrdade!” Não me lembro nada disso, só sei que no domingo, acordei com uma puta ressaca, e com a barriga satisfeita, por ter comido proteína animal tudo na faixa, e louvado seja o senhor por isso! Amém! E esse foi um exemplo do meu lado ‘japa atípico’, e o meu lado ‘japa típico’, não fica pra trás. O meu lado mais comportado, é tão culto e nobre quanto uma gueixa do século XXI, sabendo me portar de forma elegante e educado, inteligente sempre quando necessário, me torno a companhia ideal para todos os momentos da vida pra qualquer pessoa (risos). Paulo RK

sábado, 15 de junho de 2013

Protestos?!?!?!?!? Vocês podem estar fazendo do jeito errado!

Só tem um lugar neste planeta onde “quebra-quebras” são uteis, nas pedreiras! Quando rochas inteiras são transformadas em pequenos pedregulhos, para serem utilizadas nas construções civis, entre outras finalidades, para tornar as nossas vidas mais confortáveis neste mundo de concreto. O mesmo não podemos falar dos “quebra-quebras” recentes em nome dos direitos para garantir um preço mais acessível, e justo nos transportes coletivos. Pior do que um Brasil abusivo e corrupto, é a própria ignorância de uma população que em nome de uma “suposta” consciência, piora uma situação que já estava ruim. Como mencionei no inicio deste texto, ficar quebrando a nossa cidade é como vandalizar as nossas próprias casas. E o resultado de toda essa “consciência” distorcida, é a própria degradação da nossa qualidade de vida, dentro de uma realidade bastante sofrida. Do meu ponto de vista, chutar o pau da barraca no desespero é uma demonstração de fraqueza, o próprio Albert Einstein mencionou que a violência, impressiona os moralmente mais fracos. A melhor forma de garantir um direito, nunca foi pela força da violência, mas pela sutileza da inteligência. Quando usamos a violência pela violência, o resultado é sempre zero, todos se desgastam, e ninguém ganha porra nenhuma! O povo tem que enxergar esta realidade, e parar de ficar quebrando a cidade e agredindo uns aos outros, porque os nossos piores inimigos não são as pessoas, e muito menos a nossa querida cidade. Saibam que os piores canceres da sociedade brasileira, nem são os traficantes quem “vendem” drogas, para os usuários que os PROCURAM, mas os nossos “ilustríssimos” políticos, que nos roubam em nome da democracia, e dos direitos que eles prometem e que deveriam ser garantidos. Mas parece que o povinho não consegue enxergar esta realidade, e continuam a fazer o que sempre fizeram de melhor, bagunçar, distorcer a realidade e agredir uns aos outros! E enquanto este povo que pensa que pensa, detonando a própria cidade, e se matando em nome da democracia, políticos em suas mansões tomam espumantes em taças de cristais, e muito provavelmente, rindo das nossas próprias bestialidades! Certa vez ouvi um empresário muito bem relacionado no meio político, dizer que o povo tem o que merece, pois enquanto nos matamos por aqui, baixando o número de pobres mal informados na sociedade, eles continuam auferir lucros as nossas custas, criando impostos e mais impostos, inclusive impostos sobre serviços funerários. Vejam que absurdo, o cidadão revoltado que não sabe trabalhar, vira bandido, que rouba gente honesta e trabalhadora, como eu e você. Absurdo, porque virou moda atear fogo nas vitimas que muitas vezes paga para trabalhar, e mal conseguem pagar as contas no final do mês. Bandidinhos “revoltados”, por pensar que o trabalhador honesto tá limpando o cu com notas de cem reais, escondendo ouro! É por isso que mencionei neste mesmo texto; pior do que a corrupção desenfreada dos nossos digníssimos políticos é a própria ignorância de um povo, que pensa que pensa e comete atrocidades mundo afora. Não tem que atear fogo em trabalhadores honestos, não tem que quebrar a cidade, não tem que agredir gente da nossa própria gente, pois estamos no mesmo barco. Estamos navegando num mar de bosta, dentro de um navio cheio de merda, então tanto faz estarmos dentro ou fora dele, portanto se quer realmente fazer a grande diferença para um Brasil melhor, ataque os políticos, pois eles são o capitão que controla o leme deste navio, direcionando para o esgoto. Então se tiver que sequestrar, roubar ou mesmo queimar alguém em nome da ordem e progresso, faça um favor a sociedade e a você mesmo, nos livrando da escória, que são os nossos políticos. Se existe alguém neste Brasil varonil, que mereça morrer não são a população desfavorecida que vivem dentro da miséria, fazendo o melhor que podem com tão pouco. As nossas verdadeiras desgraças sociais, que nos proporcionam a falta de dignidade como cidadãos brasileiros, tem um nome e é políticos safados! Paulo RK

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Todo mundo tem um amigo.............

Seja na vida real ou na virtual, tento abordar vários assuntos quando preciso começar um bate papo informal. Quase sempre falo sobre temas que motivem as pessoas de maneira descontraída, deixando-as confortáveis em minha companhia. Para ter uma noção do que estou falando, as pessoas se sentem tão a vontade comigo, que não seria exagero, dizer que só falta eles se despirem e dizer; “sirva-se meu querido!” (risos) Mas tenho que ser sincero, não sou assim com todo mundo, pois tem gente que são naturalmente “broxantes”. A gente até tenta falar coisas legais, mas as pessoas, principalmente as mais alienadas, só sabem falar coisas ruins. E o assunto prediletos delas, é morte, a emoção e predileção por programas sensacionalistas, que só abordam este tipo de assunto, é muito repugnante, pelo menos pra mim. Muito pior, é elas ficarem reproduzindo em conversas do nosso cotidiano, todas as desgraças alheias, com detalhes de fazer arrepiar, todos os cabelinhos da minha nuca. Mas a gente, costuma escutar todas as suas “conversas,” pois compreendo que essas pessoas, por serem meus amigos, são gente boa, e tem as suas necessidades pessoais de vivenciarem tragédias, como uma válvula de escape, por não terem fortes emoções em suas vidas. Alguns outros amigos são “estressadinhos”, por conta de algum problema pessoal, que não conseguem desvencilhar, e pelo próprio estresse da sua incompetência em administra-las, extravasam em nós, todas as suas neuroses. E o pior, é que eles nem percebem, soltando perolas em palavras como; “Nossa, como você tá sensível?!?!?!?” Nem preciso dizer que tal “disparate”, me deixa tão xocado (chocado), quanto ahazado (arrasado)! Mas tudo bem, por serem meus amigos, vou ignorar estes detalhes, pois ser humano algum pode ser perfeito em sua sã consciência neste planeta, eu mesmo, sei que tenho muitos defeitos, e nenhum deles jamais comentaram sobre as minhas anomalias, buscando viver sempre de boa comigo. Acreditem ou não, sou muito grato aos amigos, principalmente aos verdadeiros, por ser quem eu sou hoje, eles me ensinam a ser uma pessoa melhor. E a propósito, se eles podem conviver com os meus defeitos, porque eu não posso conviver com os deles? Paulo RK

quarta-feira, 12 de junho de 2013

A difícil arte de vivermos bem consigo mesmo

Muito longe de querer dizer o que é viver a vida de forma adequada, pois não tenho certeza se vivo a minha de forma correta. Na verdade acho que ninguém saberia definir exatamente os propósitos e condições, dos porquês, ainda respiramos neste planeta. Conjecturo (supor com base no achismo), que tal situação seja porque ninguém tem certeza de nada, fazendo coisas por intuições, por instinto ou mesmo, porque sempre foram feitas do jeito que são por gerações. E por “achismos”, ou por pensar que pensamos, e muitas vezes de forma errada, sofremos pelas nossas próprias escolhas, pois para cada ação, sempre haverá uma reação. Eu tenho a absoluta certeza, que todas as nossas atitudes neste planeta, são regidas por uma lei, invisível, perfeita e implacável, chamada ‘lei da causa e efeito’. Mas se você tiver dúvidas sobre a mesma, uma sugestão, cuspa para o alto, e aguarde para ver se não cai na tua cabeça! (risos) Não temos como fugir desta realidade intrínseca a todo ser vivo deste planeta, todos os nossos atos, recairá sobre o bom ou o mal feitor, sem exceções. E por falta desta consciência, as pessoas “vivem” as suas vidas num ciclo de eterno sofrimento, continuando sempre a fazer o que sempre fizeram, e não percebendo, que elas mesmas são seus piores algozes. O cruel desta realidade, é que não conseguimos explicar porque as pessoas teimam ou insistem, em apertar sempre as mesmas teclas, mesmo sabendo, que não fará diferenças para o melhor, em suas vidas. Certa vez a professora de psicologia, fez uma comparação que achei interessante, entre nós humanos e as aves peru (sim aquele que faz, glú glú). Ela mencionou que se você desenhar um círculo no chão, e colocar esta exótica ave no centro desta circunferência, ela não conseguirá sair de dentro dela. E continuou esta relevante explicação, nos mostrando que a situação humana, não era tão diferente deste tipo de ave, mas muito pior, se levarmos em consideração que somos “racionais”. Por sermos “racionais” não deveríamos delimitar a nossa área de atuação, criando limites imaginários, que nos impedem de vivermos muito além do que poderíamos viver. Este aprendizado, a do ‘peru’, me fez pensar e vislumbrar todas as coisas que a humanidade tem feito em nome da ciência e tecnologia, em busca constante, pela evolução da nossa própria espécie. E todas as vezes que me encontro chateado por conta de algum problema pessoal, aparentemente insolúvel, paro o que estiver fazendo, respiro fundo, e olho para o céu, de preferencia quando um avião estiver passando por entre as nuvens. Imaginem, chegar onde chegamos, um objeto feito de aço, carregando abordo, muitas pessoas, suas bagagens e cargas de todos os tipos, voando como se fosse mais leve que o papel na abóbada celeste, muitas vezes mais azul, que o próprio anil. O pensamento reflexivo é fascinante, pois numa determinada época da própria historia na humanidade, nenhum ser humano em sua sã consciência, sequer imaginaria, que um objeto tão pesado sairia do chão. Portanto não me permito me intimidar por quaisquer situações difíceis de caráter pessoal, pois elas são tão efêmeras quanto sutis, e ao mesmo tempo, são como as nuvens, que cobrem temporariamente o todo poderoso sol, elas passam por serem ilusórias, permitindo que os raios da luz solar, iluminem a nossa própria escuridão da ignorância fundamental. Paulo RK

terça-feira, 11 de junho de 2013

Coitadinho de mim, o caráio!

Todos os dias, percebo as pessoas do meu convívio reclamando da vida e se fazendo de vitimas, particularmente, eu dou “graças a deus” por não ser como eles. Olha que eu nem acredito neste deus, pelo menos não da mesma forma deles, portanto a minha visão, é que ele não é o tipo de “pai”, que precisa castigar seus filhos. Pois nos concedeu o livre arbítrio, e é por pensar assim que o meu mundo distingue de muita gente, e com toda certeza, com mais clareza eu consigo viver melhor. Além do livre arbítrio existe um trecho na bíblia, que alias, é considerado um livro “sagrado” pela grande maioria católica, onde está escrito; “faça por onde que eu te ajudarei!” Pensem comigo; o livre arbítrio (+) mais a frase, ‘faça por onde que eu te ajudarei’ são bem explicitas. Significando que se eu ficar inerte me fazendo de vitima em tempo integral, o resultado sempre será igual a zero! Mas muito pior do que resultados “zeros”, é você nunca sair da merda e ficar justificando, mostrando a todos a sua própria incapacidade de ser feliz nesta vida, alegando que um dia, “deus” abrirá suas portas. Vai esperando, sendo mais um alienado acreditando num deus, que nem mesmo você, sabe como é ou quem é, ou pior, nem mesmo tem consciência do que ele está falando. Eu não estou conjecturando uma situação, basta você observar o mundo católico, tem muitos “representantes de deus,” falando ou agindo de forma duvidosa, colocando em questão as suas próprias convicções. O curioso dessa gente, é o que eles tem em comum, baixa autoestima! Eles vão as igrejas, leem a bíblia em voz alta, mas não compreendem que deus está dentro de cada um de nós, na forma de consciência. Por mais que você seja um filho da puta, no sentindo de querer se aproveitar da ignorância alheia, saberá que está praticando a frase, “amar ao próximo como a ti mesmo” de forma errada, é por esta razão que as pessoas contraditórias, vivem sofrendo pagando pelos seus próprios demônios. Como a máxima que diz; ‘podemos enganar todo mundo, menos a nós mesmos!’ Fico pasmo quando vejo a grande maioria católica, fazendo sinal da cruz, indo em igrejas, e ao mesmo tempo sendo cruéis consigo mesmos. Pois quando afirmam que não somos nada diante do senhor deus todo poderoso, tal afirmativa explica a falta de amor, em que vivemos neste mundo considerado contemporâneo. Porque se você, se acha um zé ninguém, um zé mané, é muito provável que considere o seu próximo, como se fosse um, faltando com respeito e dignidade no trato com elas. Cá entre nós, um recadinho para esses “cristãos” que me criticam só porque sou budista, e vivo a minha vida cheio de duras batalhas, dizendo absurdos como; “coitadinho do Paulo,” vão a merda! Infeliz do homem, que não consegue enxergar os verdadeiros significados das palavras que dizem compreender tão bem, só porque supostamente, aceitaram jesus cristo em seus corações! Cometendo todo tipo de torpeza (sórdido), e crueldade contra o seu semelhante, provando em atitudes, o contrário do que estão pregando. Paulo RK

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Insights cruéis e a questão do ser ou não ser!

De tempos em tempos, acontece comigo insights terríveis dentro da minha massa encefálica. Digo “terríveis” porque ao invés delas me esclarecer algo, na verdade, elas deixam a minha cabeça com mais dúvidas cruéis, exercendo uma pressão terrível, do querer saber, de dentro pra fora. Eu não sei se isso é normal, ou se acontece com as outras pessoas, mas, são dúvidas básicas, que ninguém até hoje conseguiu responder com a mesma simplicidade, que resolvemos as mais básicas das equações matemáticas, quanto um mais um, é igual a dois. Então quando ela acontece na minha cabeça, questões como porque vivemos do jeito que vivemos, e porque não poderia ser diferente, acontecem simultaneamente em minha mente. Causando todo tipo transtornos emocionais, e apesar de parecer normal aos olhos de muita gente, eu sempre estou em frangalhos por dentro. Pois como mencionei por aqui mesmo, não mostro o que sinto por dentro, e faço tudo parecer bem mais fácil. É por isso que tem tanta gente neste mundo, que pensa que eu não tenho problema algum, e que todas as minhas necessidades são infantis. Podem até ser, mas não deixam de ser problemas, a questão, é que não queria ter mais insights, dentro da minha mente. Gostaria de viver como muita gente vive, anestesiadas e levadas apenas pelo momento, não questionando a vida, e porque as coisas são como são, e por que elas acontecem. Isso é demasiadamente doloroso, porque talvez homem nenhum consiga responder com exatidão, e firmeza de pensamentos em palavras, pelo menos não enquanto estivermos neste planeta. Porque a vida tem sentidos e significados múltiplos, como se fosse uma flecha que aponta para vários locais ao mesmo tempo, e cada pessoa escolhe, conforme a sua própria intuição. Se já é difícil tentar explicar comportamentos de um único individuo, imagine explicar a própria vida, na sua forma mais subjetiva? Paulo RK

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Amigos no divã

A gente conhece cada gente, mas uma coisa eu posso afirmar, são tudo gente boa! E sabem por que? Porque são meus amigos, pois eu aprendi que nós, só podemos nos misturar com pessoas do nosso mesmo nível, nunca pior, ou aqueles que estão abaixo das nossas expectativas. Vou ser sincero, alguns amigos me tiram do sério, por ser gente boa demais, outros por não ser tão bons, e vivem a sofrer, como cantores de tango pelas suas próprias escolhas de vida. Fala sério, não são tão bons, com os outros, mas são exemplares comigo, então que se dane, porque o problema é dos outros, e não meu! Vou lhe falar porque tanto os amigos bons quanto os não tão bons, me tiram do sério. A gente não gosta de ver as pessoas tirando vantagens das outras pessoas dentro da sociedade, principalmente quando eles ou elas são os nossos melhores amigos. E só de pensar que uma pessoa de má índole, passou a perna de quem gostamos, eu fico muito puto, na verdade, eu fico como uma puta mal paga. E a pior parte, é que não podemos fazer nada, porque cada pessoa neste planeta é dono do seu próprio nariz, ou pelo menos deveriam ser, e nunca cair numa conversa fiada, de algum larápio(pessoa desonesta) mal intencionado. Quanto aos não “tão bons amigos,” e que não deixam de ser gente boa com a gente, são teimosos, e não escutam os nossos conselhos, sofrendo muitas vezes, com problemas tão triviais, do século passado. Não estou querendo dizer que os não “tão bons amigos”, não tenham problemas reais, muito menos estou banalizando uma situação de crise alheia. Eu só queria que os amigos “não tão bons”, me escutasse com mais atenção tudo o que tenho a dizer. Não sou o dono da razão, e o que falo por aqui, não deve ser considerado a ultima palavra, e saibam que não tenho nenhuma pretensão que seja. Aprendi nesta vida, que todos os tipos de problemas neste mundo, podem ser resolvidos num piscar de olhos, bastando você direcionar para o rumo, que quer ter na sua vida. Saibam que para isso, só precisamos mudar as nossas perspectivas, procurar enxergar o bom e velho mundo, de um ângulo completamente diferente, do que estamos acostumados. E é foda porque quando um amigo, “não tão bom” está com alguma dificuldade, eles são naturalmente ríspidos com a gente, e o que é pior, não conseguem perceber tais grosserias. A gente até sabe que não é por maldade, apenas falta de competência para encarar a realidade de suas vidas, de forma mais clara. Mas mesmo assim e pelo amor de deus, não se ofendam com a classificação de amigos bons e os “não tão bons”. Com isto eu só quis dizer que sempre teremos os amigos mais próximos como os bons, e aqueles ou aquelas um pouquinho mais distante de nosso convívio como os “não tão bons”. Para todos os efeitos a consideração por ambos sempre serão as mesmas, pelo menos da minha parte! Paulo RK

terça-feira, 4 de junho de 2013

Algum professor disponível que possa me ensinar a ser um filho da puta?

Não ninguém foi filho da puta comigo, pelo menos hoje! Só vou escrever porque é inevitável falar de certas coisas que nos incomoda em nosso cotidiano, e o meu psiquiatra recomendou: “desabafar de vez enquanto nos faz muito bem”. Hoje de manhã, fui com meu patrão a uma grande firma de advogados, onde ele é cliente, nas vagas do estacionamento que comportava apenas cinco automóveis, sendo um deles, exclusivo para deficientes. O meu patrão parou bem ao lado desta vaga, pois todos os outros estavam ocupados. Eu entrei com ele, mas estava ficando com sono, de tanto falatório e foi inevitável bocejar na frente do “doutor”, o meu patrão muito sabiamente, sugeriu que fosse até o carro, e o aguardasse por lá mesmo, ouvindo qualquer CD, graças a deus o meu patrão, é bastante eclético, então não tive problemas. Dentro do sedan, com os vidros escuros, pude observar o mundo no melhor estilo Big Brother, onde podia ver todos sem ser notado e o que melhor, embalado nos melhores sons dos anos 80. Foi quando testemunhei bem ao meu lado, a completa ausência de consideração que um ser humano, pode ter por outro. Um imponente SUV estacionou na vaga dos deficientes, reparei que no veículo, não tinha qualquer identificação, que o seu condutor era deficiente, e pior, o vidro deste automóvel, também era escuro. Até que o mesmo saiu do veículo, um jovem aparentando seus 30 e poucos anos, carregando muitas pastas, e sem cerimonia, totalmente alheio, parecia não se importar com que tinha feito. Pensei que ele ia ser rápido, pois entrou, e fazia 45 minutos que estava lá dentro, foi quando um carro chegou, aparentemente com um condutor deficiente, pois percebi o adesivo colado no vidro da frente. Parou e ficou estacionado na calçado com a sua traseira embicada na rua. Não me contive e sai do carro, e fui avisar a secretária que algum sem noção, tinha ocupado a vaga de uma pessoa necessitada, foi quando descobri que tal sem noção era filho, de um dos donos da firma de advogados. E a secretaria, me fez o favor de falar para ele, que o chamei de sem noção, valeu loira burra, por contribuir com um mundo pior! Ele saiu com aquela cara, e por alguns instantes pensei que ele iria tirar satisfação comigo, pois me olhou com uma cara feia, só porque o chamei, de sem noção. Mas graças a deus, enquanto ele tirava o veículo do lugar, o meu patrão saiu, e comentei o acontecido, ele começou a rir, e fez questão de fazer o “sem noção”, esperar na calçada por mais dez minutos, com o traseiro do seu carro embicado para a rua, da mesma forma que ele fez com o rapaz deficiente. Tudo muito justo, pois aqui se faz, aqui se paga, a lei da vida é justa e inexorável, funciona pra todo mundo. Isso tudo me faz pensar, das coisas que faz da vida, parecer um inferno, as pessoas só pensam nelas, e não admitem seus erros, tão pouco, tem humildade de pelo menos pedir desculpas pelos erros cometidos, e sair na miúda! Tenho sorte nesta vida por trabalhar com pessoas justas e de bom senso, pois toda essa experiência foi muito fatídica para mim (risos), pois por um momento pensei que aquele sem noção iria tirar satisfação comigo, pois também sou pirracento e não deixei barato, fiquei o encarando com a mesma cara de quem não liga pra nada, e o meu chefe percebeu que fiquei muito “abalado” (risos). E depois que comentei com ele, que tinha muitas roupas para lavar, ele me deixou em casa, me pagando o restante do dia! Paulo RK

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Provando o meu valor

Falar sobre valores pessoais é muito complicado porque cada indivíduo tem uma percepção distinta, do que é mais importante, para cada uma delas. Sem dúvida alguma, quando falamos sobre valores intrínsecos da própria vida, como o ato de estarmos respirando, somos unanimes, e defenderíamos ao direito a vida e quando ameaçadas, com unhas e dentes. Isso vale para qualquer espécie do planeta, homens e animais em geral. Aparentemente e até onde eu sei, as nossas existências não são ameaçadas constantemente, e a luta que travamos, não é uma batalha entre a vida e a morte, mas para garantir o sucesso ou o fracasso, dentro de um padrão chamado “status.” E é nesta luta voraz, onde expomos toda a nossa brutalidade e irracionalidade, contra os da nossa própria espécie, e com isto provamos o quanto somos desprezíveis. Já ouvi muitas histórias e apesar de dizer que a nossa luta é para sobrevivência nesta selva de pedra, chamada sociedade, eu ainda não consigo assimilar ou compreender em qual momento, passamos a nos considerar racionais. E acredite, se você ficar lendo os relatórios de crimes que acontecem aqui na cidade de São Paulo, e os motivos porque elas acontecem você começa a se questionar, se aquele que nos criou fez a nossa imagem a sua própria, e que para muitos e supostamente, ele teria muito amor e compaixão em seu coração. Ao me basear nas coisas terríveis que somos capazes de realizar por conta de valores, tão efêmeras quanto fúteis, eu me envergonho de dizer que sou um ser humano. Mas nunca vou generalizar e dizer que prefiro a companhia dos bichos que dos seres humanos, porque apesar de me “envergonhar”, eu também faço parte da espécie, e não me igualo as massas, fazendo o que elas fazem de melhor, desprezando o seu próprio semelhante. Muito pelo contrario, eu provo exatamente o oposto das coisas ruins, que são direcionados a mim, jogando por terra, todas as calúnias e mentiras. Eu vivo contrariando as pessoas fúteis, principalmente as mais perversas, e com isto tenho conquistado a cizânia (desavenças) deste tipo de gente. Mas graças a deus, como mencionei o mundo não é formado exclusivamente de pessoas fúteis, existem pessoas com bom coração, em qualquer lugar do Brasil e canto do planeta. E para sermos felizes precisamos unir as nossas forças e lutarmos pelas nossas crenças, comprovando os nossos valores inerentes, para quem quiser saber. Paulo RK

domingo, 2 de junho de 2013

Procuro fazer coisas que me motivem, pois isto me fortalece!

Seja sincero comigo e me responda; qual foi a ultima vez que você fez algo, que realmente desejou muito, e se sentiu bem consigo mesmo? Tá difícil de lembrar né?!?!?!?!? Mas você não deveria ser assim, privar das coisas que mais gosta de fazer neste mundo, é como morrer aos poucos, um dia de cada vez. Obviamente, que não estou falando das coisas que não dá para fazer, pois tem coisas na vida da gente, que temos que abrir mão por razões lógicas, como é a constante falta de dinheiro. Por outro lado, tem muitas coisas simples do nosso cotidiano, que está ao nosso alcance, e que podemos estar realizando, dentro das nossas próprias possibilidades. Mas já vou avisando, precisamos ser humildes e deixar de lado aquela bobeira de ficar se comparando, com pessoas que tem mais condições que a gente. Isso é burrice, e não nos acrescentam nenhum valor que possa nos beneficiar ao longo, ou a curto prazo de nossas vidas. Eu aprendi que ninguém é tão pobre, que não possa realizar as suas necessidades mais básicas. Porque a vida é generosa com todo mundo, basta sermos um pouco mais humildes, com as nossas próprias condições e principalmente, observar mais atentamente tudo que temos a nossa volta. E procurarmos ser criativos, com todos os recursos que a vida nos oferece, ao invés de ficarmos lamentando pelas coisas que não temos, como muita gente anda fazendo neste planeta. Se tá faltando soluções, com muitos recursos, é porque as pessoas não tem reparado no que a vida tem lhe proporcionado. Seja por falta de humildade, ou porque elas perdem muito tempo se comparando com as outras pessoas, e vivem as suas vidas unicamente a lamentar. Não gosto de me citar como exemplo em meus textos, mas tem muitas coisas na vida que eu gostaria de fazer, e não faço por falta de verba, no entanto, não me permito a angústia por ter nascido assim. Na verdade eu acho que sou mesmo muito bizarro, pois ultimamente tenho me sentindo um fotografo profissional, então pego a minha câmera fotográfica, e nem é das boas, mas quem se importa? E começo a captar o mundo de vários ângulos e perspectivas diferenciados, e olha que tenho feito um trabalho digno, pois amigos fotógrafos profissionais, tem elogiado, dizendo que a minha falta de recursos, é compensado pela minha criatividade. Se são verdadeiras as palavras deles ou são só para me agradar, não tenho certeza, mas de uma coisa eu posso garantir, eu me satisfaço como se fosse um profissional. E assim caminho dentro da humanidade, não frustrando a minha própria razão para viver motivado, com tudo aquilo que posso estar fazendo na minha própria vida. Mas a minha “insanidade saudável”, não para nas fotografias tem dias que me sinto um arquiteto, artista plástico, chefe de cozinha, costureiro, designer, paisagista, biólogo, médico, psicólogo........... Paulo RK

sábado, 1 de junho de 2013

A pior coisa no mundo,estar sujo na "rodinha" de amigos rsrsrsrsr !

Tem muitas coisas que acontecem com a gente, que pode parecer bobas e insignificantes aos olhos de muitas pessoas, mas que causam verdadeiros tsunamis emocionais, dentro de nos. Principalmente quando somos torvelinho de emoção por dentro, levando muito a sério, situações da vida, e as coisas que as pessoas costumam falar (vomitar), em nosso cotidiano. E pra completar a minha desgraça pessoal, sou do tipo que sofro calado, não posso mais correr para debaixo da saia da minha mãe, mas confesso, vou correndo para o banheiro, para poder emocionalmente despencar sentado na privada. Sou muito descontraído e vivo de bom humor, quem me conhece pessoalmente, sabe que a minha característica mais marcante, é o de ser bobo alegre, em tempo integral. E se você vive vinte e quatro horas sorrindo, você consegue incomodar muita gente. Principalmente as pessoas que vivem uma felicidade disfarçada, mostrando ao mundo sentimentos que não conhecem. Não estou julgando ninguém, pois ninguém tem esse direito, e como é de costume, me limito a desabafar neste espaço, que acredito poder fazer o que bem entender. Pois no mundo real as coisas não estão fáceis para ninguém, muito menos para mim. A situação é o seguinte; imagine você numa roda de amigos, conversando animadamente, e tomando várias latinhas de cervejas. De repente um sujeito, sim aquele mesmo sujeito que você percebeu que te olhou meio “esquisito”, e que nem ao menos você conhece intimamente. Pois é amigo de um amigo seu, e ele começa a tagarelar. No começo pensei até ser infantilidade da minha parte, pois como todos devem saber, adoro ser o centro das atenções. Mas a questão é que tal “ilustre desconhecido” começa a fazer piadinhas do século passado comigo, e do meu ponto de vista, de muito mau gosto e politicamente incorreto. Então para não ser antissocial, eu assumi conscientemente a condição de centros das atenções como um potencial alvo, o predileto da galera! Até ai tudo bem, se for para o bem da nação, eu até faço sacrifícios pessoais e me visto de palhaço, mesmo sendo por dentro um eterno e sofredor cantor de tango. Mas a minha situação mais incomoda, desta fatídica condição existencial e como mencionei, pode parecer boba para muita gente, foi a minha fraqueza. Ela me fez pensar o quanto ainda sou imaturo no quesito relacionamento pessoal, e como tais fraquezas, podem influenciar negativamente no meu comportamento de relacionamento, com as pessoas dentro de uma sociedade piadista. Paulo RK